quinta-feira, 28 de julho de 2016

SCHIRLO LANCHES AGORA FAZ ENTREGA DO SEU LANCHE

OLHA A NOVIDADE PARA VOCÊ DO SCHIRLO LANCHES
DAS 18:30 ATÉ AS 23:00 HRS VOCÊ RECEBE O LANCHE NA SUA CASA. É SÓ LIGAR 9975-6731
TAMBÉM TEM O CARTÃO FIDELIDADE: A CADA 10 LANCHES VOCÊ GANHA UM
É SÓ ESCOLHER:
- CACHORRO-QUENTE;
- X SALADA;
- X FRANGO;
EXPERIMENTE AS DELICIAS DO X-PICANHA E X-PERNIL
R. MARECHAL DEODORO, NO ESTACIONAMENTO DA FARMÁCIA ALVORECER


Operadora americana oferece internet e ligações grátis durante Olimpíada



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: OLHAR DIGITAL Imagem: Divulgação


A operadora T-Mobile vai oferecer chamadas, mensagens de texto e internet de alta velocidade ilimitados a clientes que viajarem para o Brasil durante os Jogos Olímpicos, que acontecem em agosto no Rio de Janeiro.
A medida ajuda os turistas a economizarem com taxas de roaming que seriam pagas. De acordo com a empresa, clientes que optarem por planos pós-pagos receberão automaticamente os benefícios assim que estiverem em solo brasileiro.
A operadora ainda anunciou que vai oferecer às famílias dos atletas dos Estados Unidos que estiverem competindo um Galaxy S7 Edge, um Samsung Gear 360 e a gratuidade em chamadas e consumo de internet. Cada famíla pode receber até dois smartphones por atleta.

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Presidente da Câmara concede apartamento a Eduardo Cunha



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: YAHOOO Imagem: Divulgação


O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deve deixar nos próximos dias a residência oficial da presidência da Casa, no Lago Sul, para passar a ocupar um apartamento funcional em Brasília. O ato da Mesa Diretora da Câmara com essa previsão foi elaborado nesta quinta-feira (21), segundo o 1º secretário da Casa, deputado Beto Mansur (PRB-SP).
Cunha renunciou à presidência da Câmara no último dia 7 de julho e, desde então, perdeu o direito de usar a residência oficial e regalias como avião da Força Aérea Brasileira e segurança pessoal. Pelas regras da Casa, o deputado tem prazo de até o dia 6 de agosto para desocupar o imóvel. Cunha entrou em contato com a Diretoria Geral da Câmara na última sexta-feira (15), um dia após o seu sucessor, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser eleito no cargo, e solicitou o apartamento funcional.
Segundo Mansur, o ato da Mesa - elaborado hoje - substitui um outro, editado em 13 maio, que viabilizou a permanência de Cunha na residência oficial, enquanto estivesse afastado do mandato e da presidência da Câmara por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). À época, esse ato foi inspirado nas regras que o Senado fixou para a presidenta Dilma Rousseff, depois de ser afastada em razão do processo de impeachment.
Privilégio
Pelas regras da Câmara, benefícios como auxílio-moradia ou apartamento funcional são concedidos a parlamentares que estão em pleno exercício do mandato. Questionado se Cunha está sendo privilegiado já que está afastado, Mansur disse que não. “Ele [Cunha] está afastado liminarmente. Não houve uma determinação especifica por parte do Supremo no sentido de que maneira ele estaria afastado” justificou.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia ( DEM-RJ), também considerou correto o ato concedendo apartamento funcional a um deputado afastado. “Ele [Cunha] tem mandato , enquanto ele for deputado a resolução é correta”, afirmou.
Maia acrescentou que a Câmara poderá editar um ato disciplinando possíveis futuros casos semelhantes, mas admitiu que é preciso avaliar com calma se cabe à Casa regulamentar especificamente o assunto. A ideia é produzir um ato da Mesa que possa envolver qualquer deputado, que eventualmente esteja afastado liminarmente para que ele possa ter as condições e as prerrogativas do seu mandato.
Defensores dessa norma dizem que esta é uma forma de preservar a Câmara em uma eventualidade que possa ocorrer. Há dúvidas quanto a, por exemplo, se é possível chamar um suplente durante o afastamento liminar de Cunha ou não.
Benefícios
Mesmo após a suspensão do mandato pelo Supremo Tribunal Federal no dia 5 de maio, por obstrução às investigações da Operação Lava Jato, Eduardo Cunha continua com alguns benefícios como salário de R$ 33,7 mil e R$ 92 mil de verba de gabinete para custear assessoria parlamentar.
Algumas regalias, no entanto, foram cortadas como o chamado “cotão”, uma verba usada pelos deputados para custear os gastos no exercício da atividade parlamentar, como manter escritório político no estado de origem e pagar passagens aéreas.
O valor dessa verba depende do estado de origem do parlamentar porque leva em consideração o preço das passagens aéreas de Brasília até a capital do estado pelo qual o deputado foi eleito. No caso do Rio de Janeiro, é de cerca de R$ 35,7 mil por mês. 
MATÉRIAS RELACIOANDAS:
Patrimônio de esposa de Cunha cresceu 150% em seis anos, aponta Receita Federal.
Temer e Cunha se reuniram secretamente no Palácio do Jaburu.
Por contas na Suíça, Cunha se torna réu no STF pela 2ª vez.
Justiça no Paraná bloqueia bens e quebra sigilo fiscal de Eduardo Cunha.
Cunha teria feito ameaças a Temer. 'Se cair, cairei atirando', diz jornal.
Por 11 a 9, Conselho de Ética aprova parecer pela cassação de Cunha.
PGR faz terceira denúncia contra Eduardo Cunha na Lava Jato.
Teori libera para julgamento no STF denúncia sobre contas de Cunha na Suíça.
Força-tarefa da Lava Jato propõe ação de improbidade contra Cunha.
Mulher de Cunha "lavou" mais de US$ 1 milhão em propina com sapatos e roupas.
Moro aceita denúncia e mulher de Cunha vira ré na Lava Jato.
Relator da CCJ dá parecer que pode evitar cassação de Cunha.
Cunha cita slogan de vodca a parlamentares: "hoje sou eu. Vocês, amanhã".

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

MPF acusa Reni Pereira de usar familiares como laranjas



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: PORTAL DA CIDADE Imagem: Divulgação


Mãe, irmão, irmã, cunhada, filhos, sobrinhos e a esposa, deputada estadual Claudia Pereira (PSC). Esta é a relação de familiares do prefeito afastado de Foz do Iguaçu, Reni Pereira (PSB), que integraram ou integram quadro societário de empresas criadas, segundo o Ministério Público Federal (MPF), “para dar vazão aos recursos públicos federais desviados da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu”.
A acusação fez parte do pedido de prisão acatado na última quarta-feira (14) pelo desembargador federal Márcio Antônio Rocha. Desde então, Reni permanece judicialmente afastado do cargo de prefeito e cumpre prisão domiciliar.
Para apontar o envolvimento da família do investigado no escândalo de corrupção descoberto pela Polícia Federal (PF), que corre no bojo da Operação Pecúlio, os investigadores quebraram os sigilos bancário e fiscal de Reni.
De acordo com análises documentais, logo após ter vencido as eleições municipais, em outubro de 2012, Pereira passou a ingressar o quadro societário das empresas Berttoni Empreendimentos e Participações Ltda., Jardim Botânico Empreendimentos e Participações Ltda.; e Fontoura Pereira & Cia Ltda. Todas as três empresas, sediadas em sua antiga residência, não apresentam movimentação financeira nos últimos cinco anos.
“A cronologia dos fatos indica que todas as três empresas foram formalizadas, acompanhando a ‘evolução’ do mandato do investigado Reni Pereira, a indicar o caminho dos recursos desviados, provenientes do erário público federal”, pontua a procuradora Regional da República, Antônia Lélia Neves Sanches.
Além do prefeito afastado, integram o quadro societário das três instituições sua esposa, a deputada estadual Claudia Pereira, e mais dois filhos do casal, sendo um maior e outro menor de idade. A soma do capital social das três empresas é de R$ 527 mil.
“Possivelmente, Reni, juntamente com sua esposa Claudia, eleita deputada estadual em 2014, estão, desde o início do mandato do primeiro investigado, movimentando recursos públicos federais desviados, por meio de um grupo empresarial de instituições não-financeiras”, completa a procuradora.
A reportagem buscou contato com a deputada Claudia Pereira. Sua assessoria não retornou os e-mails enviados e a deputada não atendeu às ligações feitas ao seu aparelho celular.
Outros familiares
No desenrolar das investigações, a PF chegou ao nome de outros familiares de Reni que passaram a incorporar quadro societário de empresas após sua eleição como prefeito.
Destaque para a mãe de Reni Pereira, a senhora F. S. P., falecida em setembro de 2015. “Apesar de contar com 77 anos de idade à época de sua inclusão, figurava como sócia responsável de empresas ligadas ao ramo de construções e aluguéis de máquinas de obras, muito embora estivesse aposentada por invalidez pelo INSS, não possuindo registro formal de vida laborativa compatível com as atividades empresariais assumidas”, descobriram os investigadores.
A Polícia Federal narra também no inquérito policial de Reni Pereira que seu sobrinho, I.M.P., com apenas 19 anos de idade, controla empresas cujos capitais sociais perfazem R$ 1.9 milhão. A PF detectou a ligação societária direta entre I. M. P. e Paulo Trento Gorski, sócios formais da empresa GPS Pavimentações e Construção Ltda. Paulo Trento Gorski é filho de Paulo Gustavo Gorski, empresário da cidade de Cascavel, proprietário da SAMP – Construtora. A empresa celebrou inúmeros contratos com a Prefeitura de Foz do Iguaçu alvos da Operação Pecúlio.
“Cabe ressaltar que a empresa GPS Pavimentações e Construção Ltda. não foi localizada no seu endereço de cadastro, tampouco foram encontrados registros de atividade empresarial, tratando-se, possivelmente, de empresa “laranja” usada para movimentações ilícitas de recursos financeiros”, acusam os investigadores da PF. Novas pesquisas permitiram apurar a existência de pessoas jurídicas em nome de I. T. P. N. e F. R. N., respectivamente, irmã e sobrinho de Reni Perira.
Na avaliação do MPF, “observou-se, que o investigado Reni Pereira possivelmente coordena as ações ilícitas praticadas em prol das empresas ‘pertencentes’ a seus familiares, que atuam no ramo de construção civil, em especial no fornecimento de maquinários, insumos, terraplenagem e obras em geral, para o Município de Foz do Iguaçu”, afirma a procuradora.
Após ter acesso ao inquérito policial, a representante do MPF concluiu em seu pedido de prisão contra o prefeito afastado. “Da análise dos dados levantados depreende-se que Reni Pereira vem movimentando recursos públicos federais ilicitamente obtidos, por meio das empresas acima citadas, que foram criadas ou controladas durante o exercício do mandato de Prefeito Municipal de Foz do Iguaçu (...), buscando ocultar e “branquear” tais valores, ficando demonstrada a existência de interesses comuns e vinculação” de Reni e seus familiares. 
MATÉRIAS RELACIONADAS: Prefeito de Foz é preso e afastado do cargo.
MPF pede que Reni Pereira deixe regime domiciliar e seja preso

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE